Poesia & política brasileiras: Bolsonaro, Moro & Augusto dos Anjos – Do beijo ao escarro

Hinterlasse einen Kommentar Standard

Por:  M. Fábia P. V. Willems

PARA OUVIR O PODCAST DO ARTIGO, CLIQUE NO BOTÃO DO ÁUDIO ABAIXO!

Linguaculturax.com

Língua, Cultura, Atualidade e Curiosidades para você!

Meu nome é Fábia Willems e apresento o tema de hoje:

Poesia & Política brasileiras | Bolsonaro, Moro e Augusto dos AnjosVersos íntimos

Bolsonaro X Moro: „A mão que afaga é a mesma que apedreja“
– Foto: Screenshot – @linguaculturax –

Mais atual do que nunca estão os „Versos íntimos“ do poeta brasileiro Augusto do Anjos.

A decepção em relação aos relacionamentos interpessoais estão no foco de sua poesia. Uma leitura perfeita para Bolsonaro e Moro.

O soneto foi escrito em 1912 e está em Eu, o único livro lançado pelo autor quando tinha 28 anos.

Eu. Um pronome pessoal de primeira pessoa de duas vogais.

Eu, à direita. Eu, à esquerda. Eu, no centrão.

Tudo tem que girar em torno do eu! Você, ele, ela, nós, vós, vocês, eles, elas, prezadas senhoras e prezados senhores, não conjuga mais verbo. Não nesse governo. Quem manda é o „eu“.

„Eu falo, eu digo, eu mando!“ Quem conjugar o verbo na pessoa ou no tempo errado está fora. O modo está no presente, mas o tom é imperativo, podendo variar de positivo a negativo, dependendo do interesse do „eu“.

O que é formidável?

Quem é a pantera?

Quem é a quimera nesta poesia?

A quimera aqui é mostro, animal fantástico, devaneio, uma composição formada por elementos incongruentes, organismo constituído por tecidos ou grupos celulares com origem genética distinta ou peixe-rato mesmo?

Se a fera devorar o peixe, sobra o rato?

Será miserável a terra ou homem?

Qual homem?

De quem é a mão vil que afaga e apedreja?

Quem toma um fósoforo e acende o fogo?

Por que ingratidão?

Quem beija e quem escarra na boca do brasileiro?

Bolsonaro ou Moro?

No nome dos dois faltou „e“, faltou „u“.

Agora é por os pingos nos „is“ e ver quem vai conjugar os verbos com o „eu“ no planalto.

Por enquanto, sobrou desde sexta o tal „Perdeu, playboy!“.

 

Dicas de Leitura

Fique conosco!

Até a próxima!

Brasil 2017: A diferença entre „dizer“ e „falar“

Kommentare 2 Standard

Por: M. Fábia P. V. Willems

 

Olá pessoal!

Hoje vamos falar sobre a diferença entre „falar“ e „dizer“.

Vocês também já tiveram essa dúvida?

Ao contrário do que muitos pensam, essas palavras não são sinônimas. Enquanto „falar“ significa „dizer palavras, ter o dom da palavra“, „dizer“ tem um poder declarativo, isto é, afirmamos algo com ele. Sendo assim, quem pode falar tem muito a dizer.

Veja os exemplos abaixo para tirar suas dúvidas, veja a reportagem e ouça uma música:

Créditos: Professora Fábia Willems – linguacultura.wordpress.com

Veja também:

 

Diga não ao Leão! Chega de pagar tantos impostos!

Veja o que estão fayendo com o povo brasileiro:

RedeTV News – Märço 2017

 

Revoltante, não?

 

Agora um pouco de música:

„Se eu quiser falar com Deus“, de Gilberto Gil

DVD Eletroacústico – Vídeo: Youtube.com.br

E aí? As coisas ficaram mais claras agora?

Deixe seu comentário e outros exemplos pra gente!