Poesia brasileira: Carlos Drummond de Andrade: Poesias & “Não deixe o amor passar”

Comentários 7 Padrão

 Por: M. Fábia P. V. Willems

 

Amor. Die Liebe. The love. L’amour. L’amore.

No nosso Minuto Poético de hoje vamos falar sobre o Amor e um dos maiores escritores brasileiros: Carlos Drummond de Andrade.

Drummond foi um mineiro, um poeta genial, contista, cronista e tradutor. Selecionamos dois vídeos especiais com lindas poesias dele para você:

  • o primeiro vídeo traz uma poesia que circular na internet como sendo de Drummond (em mais de 600.000 sites), porém sua autoria ainda não foi comprovada e,
  • o segundo, apresenta poesias belíssimas recitadas pelo próprio Drummond.

Relaxe agora e sonhe um pouco com nosso Minuto da Poesia.

Continue lendo

Anúncios

08.03: Dia Internacional da Mulher (Weltfrauentag)

Deixe um comentário Padrão

Por: M. Fábia P. V. Willems

 daf_frauentag1pt1

Dia 8 de março é comemorado o Dia Internacional da Mulher, mas você sabe o porquê?

Vamos falar sobre as origens desta comemoração, seu significado e comparar como mulheres de todo o mundo vivem este dia. Tudo com um vídeos, música e poesia.

Embora estejamos no século XXI, nem todas as mulheres vivem numa sociedade onde seus direitos são respeitados. A violência corporal ou psicológica domina e estas são tratadas como seres humanos de segunda classe ou como um peso para a família.

A mulher está conquistando sim seu espaço no mundo civilizado, porém ainda há muito o que ser feito para que as mulheres sejam respeitadas realmente, principalmente se elas forem pobres e negras.

Mulheres, força e fé! A luta continua! Não podemos permitir o desrepeito nem a violência! É preciso lutar sim, mas sem esquecer a essência de ser mulher.

Parabéns pelo seu dia!

Continue lendo

Silvester in Brasilien: Feste, Bräuche, Rituale, Kochrezepte, Musik & Gedicht (Ano Novo no Brasil: Festa, Riuais, Receitas, Música e Poesia)

Comentários 4 Padrão

 Por: M. Fábia P. V. Willems 

Liebe Leserinnen und Leser,

Heute erfahren wir wie die Brasilianer Silvester feiern. Dazu gehören ein paar Rituale. Welche Silvesterbräuche es gibt, erfahren Sie jetzt. Schauen Sie sich auch mal unsere ausgewählten Videos an.

Ich wünsche euch einen guten Rutsch!

 

Queridas leitoras e queridos leitores,

Hoje você vai ficar sabendo como os brasileiros passam o final do ano. Alguns rituais fazem parte deste. Saiba quais são seus costumes agora mesmo. Veja também nossos vídeos selecionados.

Boa leitura e Feliz Ano Novo!

 

 Silvester in Brasilien: Bräuche & Rituale 

(Passagem de Ano Novo no Brasil)

ano_novo_montage_blog

Silvester feiern in Brasilien ist wirklich ein tolles multikulti Erlebnis.

 

Die Brasilianer nennen den Silvesterabend Passagem de Ano, Virada oder Révillon. Sie feiern gern am Strand mit der Familie oder mit guten Freunden, aber viele fahren auch aufs Land oder in die Berge. Sie bereiten sich ein paar Tage lang für dieses Fest vor.

Wieso?

Wegen den vielen Vorbereitungen.

Brasilianer sind normalerweise sehr abergläubisch (supersticiosos) und alles muss stimmen. Man muss das richtige anziehen und es muss etwas neues dabei sein. Die Farbe der Kleidung ist sehr wichtig, sowie das Silvester-Menü und das Ritual von sieben Wellen springen. Zu viel Hokuspokus? Ob Kokolores oder nicht, die Wahrheit ist, dass für viele Brasilianer die sogenannten Simpatias zum Silvesterabend einfach dazu gehören. Was uns Glück bringen soll, erfahren Sie jetzt von den Brasilianern:

  1. Die Farben der Kleidung (a cor da roupa)
  2. Das Silvester-Menü (o cardápio da Virada)
  3. Die Musik zum Neuen Jahr (a música de Ano Novo)
  4. Rituale am 01.01 (Rituais do dia 01.01)
  5. Silvester-Gedicht (Poema de Ano Novo) von Carlos Drummond de Andrade

1. Kleider & Farben, die Glück bringen sollen

(Roupas & Cores que poder dar sorte)

reveillon-rio-de-janeiro-02

Silverster in Rio de Janeiro – Millionen in Weiss – Foto: gratisonline.com.br

 

Was Neues  am Silvesterabend zu tragen (usar uma roupa nova) soll Glück bringen. Ein neues Jahr ist auch ein neuer Anfang und die weiße Farbe (branco) passt perfekt dazu. Schwarz (preto) soll man lieber bei Beerdigungen tragen 😉 Weitere Farben (cores), kann man am Silvesterabend tragen, sie soll je nach Wunsch für das neue Jahr ausgesucht werden. Hier ein paar Farben und deren Bedeutungen für Sie:

  • Weiß (branco) ist die Farbe des Friedens und des Lichtes. Es bringt Glück, sie beim Jahreswechsel zu tragen. Man trägt Weiß und wünscht sich damit ein ruhiges und friedliches Neues Jahr.
  • Gelb (amarelo) erinnert an Gold. So wünscht man sich, dass die eigene finanzielle Lage besser wird.
  • Rot (vermelho) ist die Farbe des Feuers, des Blutes und somit die Farbe des Lebens. Rot ist auch die Farbe der Liebe. Will jemand eine leidenschaftliche Liebe erleben oder behalten, trägt man am Silvesterabend etwas rotes, egal was. Besonders Frauen wählen die Farbe für ihre Unterwäsche.
  • Grün (verde) soll neue Kraft und Hoffnung ins Leben bringen.

Möchten Sie weitere Infos über dieses Thema lesen, dann besuchen Sie folgende Links (auf Portugiesisch):

 

2. Das Sylvester-Menü, das Glück bringen soll

(Jantar de Ano Novo que trará sorte)

ano_novo_comidas-e-bebidas-sorte

Brasilianisches Silvester-Menü für ein glückliches neues Jahr – Foto: clickpb.com.br 

 

Viele Menschen glauben, dass auch das Essen Glück bringen kann. Hier ein paar Tipps für Sie:

  • Linsen (lentilhas): ein Löffel reicht, damit das Essen auf dem Tisch nie fehlt.
  • Trauben (uvas) und Granatäpfel (romãs): 3 oder 7 Trauben sollen reichen für Essen im Überfluss und mehr Geld. Die Kerne sollen in der Tasche oder im Geldbeutel das ganze Jahr getragen werden.
  • Nüsse (nozes), Haselnüsse (avelãs), Kastanien (castanhas) und Datteln (tâmeras) sorgen für ein Leben mit Essen im Überfluss (fartura).
  • Schweinefleisch (carne de porco) soll man eher essen als Geflügel (aves). Schweine, im Gegensatz zu den Geflügeln, bewegen sich immer nach vorne, deswegen es zu essen bringt uns Glück.

Möchten Sie eventuell ein brasilianisches Silvester-Menü vorbereiten? Hier sind ein paar Kochrezepte (receitas culinárias) für Sie. Sehen Sie sich diese 3 Videos an und lernen Sie brasilianisch kochen, aber Sie brauchen Grundkenntnisse in Portugiesisch 😉 Spanisch Kenntnisse könnten auch hilfreich sein.

Video 1

Gericht mit Schweinefleisch (carne de porco)Lombo recheado do Chef Edu Guedes

Programa Hoje em Dia – Rede Record TV

 

Video 2

Regionales Gericht aus Minas Gerais mit Schweinefleisch (carne de porco)Pernil à Pururuca com geleia de manga e pimenta

Record Rural – Aprenda a fazer uma deliciosa receita para a ceia de Ano Novo

 

Video 3

Multikulti Silvester-Menü (Pratos Multiculturais) von der Chefköchin Jaqueline Moraes

  • Salat (Salada) mit Gemüse (legumes), Apfel (maçã), Putenfleisch (peru), Kräuter (ervas), frische Sahne (nata fresca/ creme de leite), Grünsalat (alface): Salpicão
  • Fischgericht (Peixe): Salmão com molho de maracujá (Lachs mit Maracuja-Soße)
  • Cuscuz aus Marokko (Cuscuz marroquino)
  • Duftreis (Arroz)
  • Linsen mit Schweinerippen (Lentilha com costela) 

 

 Programa Casa Sul

3. Singen bringt Glück

(Cantar dá sorte)

 musica

„Quem canta, os males espanta“

 

“Derjenige, der singt, vertreibt das Böse“, so lautet ein brasilianischer Spruch. Deswegen soll man die Freude des Lebens schätzen, singen und lachen, trotz aller Schwierigkeiten.

Deswegen kommt jetzt ein bißchen Musik für euch:

Sylvester an der Copacabana, Rio de Janeiro, Brasil

Beim Jahreswechsel singen viele Brasilianer dieses Lied mit ihren Verwandten, Freunden und Bekannten gemeinsam Arm in Arm und schunkeln von rechts nach links 😉

Ein bisschen Spaß muss sein 🙂

Schauen Sie sich ein Video über eine brasilianische Silvesterparty an der Copacabana (Rio de Janeiro-Brasilien) an und lauschen Sie diesem Lied:

 

Adeus Ano Velho! (Ade altes Jahr)

Brasilianisches Lied zum Jahreswechsel – Canção para a passagem de ano (2:55)

 

Adeus, ano velho!
Feliz ano novo!
Que tudo se realize
No ano que vai nascer
Muito dinheiro no bolso
Saúde pra dar e vender

Para os solteiros, sorte no amor
Nenhuma esperança perdida
Para os casados, nenhuma briga
Paz e sossego na vida!

Komponiert von (Compositor): David Nasser / Francisco Alves

 

Auf Deutsch (eine Übersetzung ohne die Reime):

Ade altes Jahr

Ein glückliches neues Jahr

Dass im neuen Jahr alle Wünsche sich verwirklichen

Viel Geld im Geldbeutel (wortwörtlich: Viel Geld in der Hosentasche)

Viel Gesundheit (wortwörtlich: Gesundheit zum schenken oder verkaufen).

Für diejenigen, die ledig sind

viel Glück in der Liebe,

Für die, die schon verheiratet sind

Friede und Ruhe im Leben.

 

Möchten Sie dieses Lied mal spielen? Hier finden Sie die Noten dazu.

 

4. Rituale am 01. Januar

(Rituais de Ano Novo dia 01 de Janeiro)

 

Viele Menschen glauben fest daran, im neuen Jahr ihr Glück mit bestimmten Ritualen schneller zu erreichen. Ein bisschen Magie muss sein, sagen sie. Schauen Sie sich dieses Video mit diversen Tipps an:

Silvester-Rituale in Brasilien (Simpatias e crenças de Ano Novo)Programa Evodência

 

Möchten Sie mehr darüber erfahren? Neugierig? Suchen Sie die sogennanten Simpatias unter 1. Janeiro rituais, z.B. beim www.google.com.br oder www.google.de 

Hier ein Artikel für Sie (auf Portugiesisch!): http://delas.ig.com.br/comportamento/por+que+nao+resistimos+as+simpatias+de+ano+novo/n1237532960410.html

Viel Spaß! Und viel Glück 😉

 

5. Silvester-Gedicht: “Das Neujahrsrezept” vom brasilianischen Dichter Carlos Drummond de Andrade

A receita de Ano Novo dada pelo poeta brasileiro Carlos Drummond de Andrade

Wie empfinden brasilianische Dichter das neue Jahr, das erfahren Sie jetzt:

Receita de Ano Novo – Carlos Drummond de Andrade, na voz de Lima Duarte (1:31)

 

Möchten Sie den Text dieses wunderschönen Gedichtes lesen und mehr über den Poet erfahren, lesen Sie diesen Artikel und schauen Sie sich auch mal die Reportage der TV-Cultura an: Receita de Ano Novo do poeta brasileiro (Das Neujahrsrezept des brasilianischen Dichters): Carlos Drummond de Andrade (auf Portugiesisch!).

Ein glückliches Neues Jahr, Viel Spaß, viel Glück, auf Wiedersehen, Tschüß und Servus!

Feliz Ano Novo, divirta-se e até a próxima!

 

UNSERE LESETIPPS FÜR SIE:

Escritora brasileira premiada faz campanha na internet para poder publicar seu livro

Deixe um comentário Padrão

Por: M. Fábia P. V. Willems

Escritora brasileira premiada faz campanha na internet para ter livro publicado

“Um país se faz com homens e livros”

(Monteiro Lobato)

Ter seu primeiro livro publicado, este é o sonho de Viviane Veiga Távora. A poetisa brasileira de Limeriques já teve alguns livros publicados, mas seu xodó, o SEM PÉ NEM CABEÇA, infelizmente ainda não. Ela chegou a vender os direitos autorais da obra para o MEC (Ministério da Educação e Cultura) por cinco anos. O prazo venceu e o livro não publicou um livro premiado. Incrível, não?

pt_viviane_face1

Pois é, agora o jeito é tentar encontrar uma outra solução e, já que estamos na Era da Internet, Viviane decidiu fazer um vídeo e lançar a Campanha de “crowdfunding” para publicar meu livro.

O que é isso? É uma nova possiblidade de realizações de sonhos. Você entra no site, faz uma doação online e garante uma recompensa!

Acredite no poder da leitura e no talento da Viviane.

A publicação do livro seria uma grande vitória para leitores de todas as idades.

 

Conheça a história de Viviane e doe Poesia você também e

colabore com sua campanha!

 

Youtube: Crowdfunding – SEM PÉ NEM CABEÇA 1

 

 

O título original do livro “SEM PÉ NEM CABEÇA” era “PÉ DE ALGUMA COISA PEDE OUTRA”. Esse premiado livro de poesias vai poder ser publicado com a sua colaboração! O valor da campanha prevê a publicação de 1.000 exemplares do livro SEM PÉ NEM CABEÇA, com 49 poemas e 64 páginas. O orçamento será utilizado parao projeto gráfico do livro, a editoração, revisão e impressão dos exemplares.

“SEM PÉ NEM CABEÇA, reúne poemas curtos em torno dos múltiplos sentidos da palavra “pé” ou então da sílaba “pe” conjugada com ou contida em outras palavras para arranjos harmônicos inusitados. Enredado e curioso pela sequência de poemas, fui levado a criar na minha mente múltiplas imagens, como se da sintaxe criativa das palavras brotassem cenas, situações, lembranças, arranjos, etc na minha mente. Algumas dessas imagens me levaram a ser menino novamente e rememorasse a fruição, lá trás no tempo, do livro “Meu Pé de Laranja Lima”, de José Mauro de Vasconcellos, e trouxesse do passado para o presente o inesquecível quintal da minha casa do interior, com muitos pés de fruta. E junto com as frutas o gosto. E junto com esse gosto a renovação do prazer da leitura e de tudo o que ela pode fazer conosco. Enfim, “deu pé” ler esse delicioso conjunto de poemas – todos eles têm pé e cabeça e, por isso mesmo, enquanto pés, sinalizam a possibilidade de movimento da nossa imaginação e da nossa infinita capacidade de brincar gostosamente com as palavras. Pá-lavras com pé-lavras – e como!”

(Fabricio Carpinejar)

 

COLABORE COM A CAMPANHA PARA A PUBLICAÇÃO!

O link da campanha do SEM PÉ NEM CABEÇA é este:

http://www.kickante.com.br/campanhas/livro-premiado-sem-pe-nem-cabeca

Você também receberá uma recompensa! Veja ual será diretamente no site da Campanha!

Dicas de Leitura e Pesquisa

Pé de galinha, pé de pato, pé de cachimbo, bicho-de-pé, pé de vento, pé-frio, pé de uva com pitanga, pode pé de limerique?
Pé de Limerique - Nova Ortografia - Viviane Veiga Távora (8578882636)

Limerique é um tipo de poema curtinho e divertido, com cinco versos rimados, e que costuma tratar de temas sem pé nem cabeça.

Escrito por Viviane Veiga Távora e ilustrado por Carla Irusta, este livro reúne limeriques que brincam com os sons e os vários sentidos da palavra “pé”.

 

 

 

 

 

  • Livro MARELIQUES DA PRAIA LOUCA, publiquei com apoio do Edital de Publicação de Livros do Estado de São Paulo, Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo. Ilustrado pelo Walyher Moreira Santos.
  • Livro O DECIFRADOR DE POEMAS, vencedor do II Concurso CEPE de Literatura Infantil e Juvenil, publicado pela Companhia Editora do Pernambuco. Ilustrado pelo Rodrigo Aguiar.
  • Livro CORDEL DE SANTA TERESINHA, vencedor do Prêmio Mais Cultura de Literatura de Cordel, do Ministério da Cultura, publicado pela Editora Cultor de Livros, sendo que 2000 exemplares foram doados para Associação Aliança de Misericórdia (www.misericordia.com.br). Ilustrado pela Simone Mathias.
  • Livro PÉ DE LIMERIQUE, publicado pela Editora Panda Books. Ilustrado pela Carla Irusta. Meu primeiro livro publicado por uma editora comercial, iupi!
  • Livro LIMERIQUES TRAVA-LÍNGUAS, selecionado pelo PNLD – Alfabetização na Idade Certa, do Ministério da Educação. Publicado pela Editora Panda Books e ilustrado pela Larissa Ribeiro.
  • Livro LUGAR DE BICHO, selecionado pelo PNLD – Alfabetização na Idade Certa, do Ministério da Educação. Publicado pela Editora Panda Books e ilustrado pela Clara Gavillan.
  • Livro O SUMIÇO DO TEMPO, publicado pela Editora Panda Books e ilustrado pela Suryara.

 

Links legais:

Viviane Veiga Távora (@veigatavora) | Twitter

Viviane Veiga Távora | Facebook

varal de casa – Viviane Veiga Távora

Prêmio Tatiana Belinky de Limeriques 2014 – Vídeo 1 …

Dez livros para conhecer o Limerique – Educar para Crescer

Inverno com Amor, Neve & Poesia (Winter mit Liebe, Schnee & Poesie)

Comentários 5 Padrão

Por: M. Fábia P. V. Willems

Inverno com Amor, Neve & Poesia (Winter mit Liebe, Schnee & Poesie)

Você gosta do inverno, da magia que a neve, a poesia e a fotografia tem? Então vai gostar deste Post. Poesias em Português e Alemão, assim como fotos do inverno na Alemanha fazem parte desta pequena seleção. Seguem também dicas de leitura e de dicionários online, caso você queira traduzir as poesias.

Boa leitura!


Se você gostar desta postagem, indique-a para seus amigos e assine nosso blog!
Acompanhe as novidades por email ou diretamente
no Facebook (Linguacultura.fabiawillems)
Ah, também estamos  no Twitter (@Linguacultura_x)!

münter2014winter-5graus

 

Poesias em alemão

 

SCHNEE

Wenn der Schnee auf Wald und Garten fällt,
Ist es nur ein leichtes Ruhedach,
Unter dem ermüdet diese Welt
Eine Weile schläft. Bald wird sie wach.

Wenn der Tod mir Blut und Glieder stillt,
Sprecht mit Lächeln euer Trauerwort!
Still in Trümmer sinkt ein flüchtig Bild;
Was ich bin und war, lebt fort und fort.

SCHNEE

Wenn der Schnee auf Wald und Garten fällt,
Ist es nur ein leichtes Ruhedach,
Unter dem ermüdet diese Welt
Eine Weile schläft. Bald wird sie wach.

Wenn der Tod mir Blut und Glieder stillt,
Sprecht mit Lächeln euer Trauerwort!
Still in Trümmer sinkt ein flüchtig Bild;
Was ich bin und war, lebt fort und fort.

Gedicht von Hermann Hesse /
Rezitation: Ulrich Gebauer /
Piano: Ralf Schink – Bass: Willi Macht /
Video: psyformance /

 —–x—–

DER ERSTE SCHNEE 

Ei, du liebe, liebe Zeit,
ei, wie hat´s geschneit, geschneit!
Rings herum, wie ich mich dreh´,
nichts als Schnee und lauter Schnee.
Wald und Wiesen, Hof und Hecken,
alles steckt in weißen Decken.

Und im Garten jeder Baum,
jedes Bäumchen voller Flaum!
Auf dem Sims, dem Blumenbrett
liegt er wie ein Federbett.
Auf den Dächern um und um
nichts als Baumwoll´ rings herum.

Und der Schlot vom Nachbarhaus,
wie possierlich sieht er aus:
Hat ein weißes Müllerkäppchen,
hat ein weißes Müllerjöppchen!
Meint man nicht, wenn er so raucht,
dass er just sein Pfeifchen schmaucht?

Und im Hof der Pumpenstock
hat gar einen Zottelrock
und die ellenlange Nase
geht schier vor bis an die Straße.
Und gar draußen vor dem Haus!
Wär´ nur erst die Schule aus!

Aber dann, wenn´ s noch so stürmt,
wird ein Schneemann aufgetürmt,
dick und rund und rund und dick,
steht er da im Augenblick.
Auf dem Kopf als Hut ´nen Tiegel
und im Arm den langen Prügel
und die Füße tief im Schnee
und wir rings herum, juhe!

Ei, ihr lieben, lieben Leut´,
was ist heut´ das eine Freud´!

Friedrich Wilhelm Güll 
(deutscher Dichter,1812-79 )

—–x—–

 

 

Poesias em Português

 

BALADA DA NEVE

Vídeo: Poema recitado em Português Europeu

 

Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho…

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria…
– Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho…

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
duns pezitos de criança…

E descalcinhos, doridos…
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
depois, em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!…

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
– e cai no meu coração

Augusto Gil, Luar de Janeiro

(Poeta português,1873-1929)

—–x—–

 

 


MAGIA DA PRIMEIRA NEVE 

A neve chega devagar,

veste de noiva árvores desnudas,

desperta almas quase mudas.

Assim vem ela:

devagarinho

açucarando de magia

o inverno em tua vida

com amor e poesia.

(Fábia Willems)

—–x—–

Continue lendo

Cora Coralina: Poesia e Magia na Literatura Brasileira

Comentários 3 Padrão

Por: M. Fábia P. V. Willems

Cora Coralina1

 

Quem foi Cora Coralina?

Cora Coralina (Ana Lins do Guimarães Peixoto Brêtas), 20/08/1889 — 10/04/1985) é a grande poetisa do estado de Goiás e um dos maiores nomes da Literatura Brasileira. Sempre foi uma mulher de coragem, irreverência e eterno otimismo.

Começou a escrever poesias aos 14 anos, criando com amigas o jornal de poemas femininos “A Rosa”.

Em 1910, seu primeiro conto, “Tragédia na Roça”, é publicado no “Anuário Histórico e Geográfico do Estado de Goiás”, já com o pseudônimo de Cora Coralina.

Enfrentou todos os obstáculos em nome do amor. Em 1911, foge de casa para casar com um homem divorciado (o advogado Cantídio Tolentino Brêtas), já que sua família não aceitava o amor dos dois. Vai viver em Jaboticabal (SP), onde nascem seus filhos.

Em 1922 é proibida pelo marido de integrar-se à Semana de Arte Moderna, a convite de Monteiro Lobato. Em 1928 muda-se para São Paulo (SP).

Em 1934, torna-se vendedora de livros da editora José Olimpio que, em 1965, lança seu primeiro livro, “O Poema dos Becos de Goiás e Estórias Mais”.

Em 1976, é lançado “Meu Livro de Cordel”, pela editora Cultura Goiana.

Em 1980, Carlos Drummond de Andrade, como era de seu feitio, após ler alguns escritos da autora, manda-lhe uma carta elogiando seu trabalho, a qual, ao ser divulgada, desperta o interesse do público leitor e a faz ficar conhecida em todo o Brasil.
Sintam a admiração do poeta, manifestada em carta dirigida a Cora em 1983:

“Minha querida amiga Cora Coralina: Seu “Vintém de Cobre” é, para mim,

moeda de ouro, e de um ouro que não sofre as oscilações do mercado.

É poesia das mais diretas e comunicativas que já tenho lido e amado.

Que riqueza de experiência humana, que sensibilidade especial e

que lirismo identificado com as fontes da vida!

Aninha hoje não nos pertence.

É patrimônio de nós todos, que nascemos no Brasil e amamos a poesia ( …).”

 

Editado pela Universidade Federal de Goiás, em 1983, seu novo livro “Vintém de Cobre – Meias Confissões de Aninha”, é muito bem recebido pela crítica e pelos amantes da poesia.

Em 1984, torna-se a primeira mulher a receber o Prêmio Juca Pato, como intelectual do ano de 1983.

Aos 70 anos, passando dificuldades financeira, dedicou-se à venda de doces, “os melhores do Brasil”, segundo ela.

Viveu 96 anos, teve seis filhos, quinze netos e 19 bisnetos, foi doceira e membro efetivo de diversas entidades culturais, tendo recebido o título de doutora “Honoris Causa” pela Universidade Federal de Goiás.
No dia 10 de abril de 1985, falece em Goiânia. Seu corpo foi velado na Igreja do Rosário, ao lado da Casa Velha da Ponte.

Em m 1988 é lançado “Estórias da Casa Velha da Ponte” é lançado pela Global Editora.
Postumamente, foram lançados também os livros infantis “Os Meninos Verdes” (em 1986) e “A Moeda de Ouro que um Pato Comeu” (em 1997) e “O Tesouro da Casa Velha da Ponte” (em 1989).

A linda poesia de Cora é marcada pelo otimismo, pela solidariedade ao próximo, pela amizade, pelo amor a vida e a terra, tendo feito grandes homenagens ao Estado onde nasceu. Seguiu fazendo seus doces e seus versos até os últimos dias de sua vida. Faleceu aos 95 anos, deixando-nos melodia de seu cântico na música de seus versos”.

 

Conhecendo melhor Cora Coralina (Vida & Obra)


Reportagens sobre a autora

A história de Cora Coralina (Entrevista com a autora)

Cora Coralina e Gyn Teen.avi (6:53)

Reportagem Especial (mais longa) – Parte 1

Cora Coralina (1/2) – De Lá Pra Cá – 21/09/2009 – TV Brasil (17:32)

Vídeo 4: Reportagem Especial (mais longa) – Parte 2 

Cora Coralina (2/2) – De Lá Pra Cá – 21/09/2009 – TV Brasil (17:43)

 

Vídeo 5: Visita Virtual ao Museu Cora Coralina

Alguns dos mais belos Poemas de Cora

cora_coralina_minhacidade

“Não sei”

Não sei… se a vida é curta…

Não sei…
Não sei…

se a vida é curta
ou longa demais para nós.

Mas sei que nada do que vivemos
tem sentido,
se não tocarmos o coração das pessoas.

Muitas vezes basta ser:
colo que acolhe,
braço que envolve,
palavra que conforta,
silêncio que respeita,
alegria que contagia,
lágrima que corre,
olhar que sacia,
amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo:
é o que dá sentido à vida.

É o que faz com que ela
não seja nem curta,
nem longa demais,
mas que seja intensa,
verdadeira e pura…
enquanto durar.

 

“Via poética”

Via Poética – Cora Coralina – Recitado por Ronny Von

“O Cântigo da Terra”

“O Cântico da Terra”

Eu sou a terra, eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore, veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou a fonte original de toda vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Sou a telha da coberta de teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranqüila ao teu esforço.

Sou a razão de tua vida.
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz.

Eu sou a grande Mãe Universal.
Tua filha, tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou o amor.

A ti, ó lavrador, tudo quanto é meu.
Teu arado, tua foice, teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.

E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranqüilo dormirás.

Plantemos a roça.
Lavremos a gleba.
Cuidemos do ninho,
do gado e da tulha.
Fartura teremos
e donos de sítio
felizes seremos.

Conclusões de Aninha

Estavam ali parados. Marido e mulher.
Esperavam o carro. E foi que veio aquela da roça
tímida, humilde, sofrida.
Contou que o fogo, lá longe, tinha queimado seu rancho,
e tudo que tinha dentro.
Estava ali no comércio pedindo um auxílio para levantar
novo rancho e comprar suas pobrezinhas.

O homem ouviu. Abriu a carteira tirou uma cédula,
entregou sem palavra.
A mulher ouviu. Perguntou, indagou, especulou, aconselhou,
se comoveu e disse que Nossa Senhora havia de ajudar
E não abriu a bolsa.
Qual dos dois ajudou mais?

Donde se infere que o homem ajuda sem participar
e a mulher participa sem ajudar.
Da mesma forma aquela sentença:
“A quem te pedir um peixe, dá uma vara de pescar.”
Pensando bem, não só a vara de pescar, também a linhada,
o anzol, a chumbada, a isca, apontar um poço piscoso
e ensinar a paciência do pescador.
Você faria isso, Leitor?
Antes que tudo isso se fizesse
o desvalido não morreria de fome?
Conclusão:
Na prática, a teoria é outra.

Mascarados

Saiu o Semeador a semear
Semeou o dia todo
e a noite o apanhou ainda
com as mãos cheias de sementes.
Ele semeava tranqüilo
sem pensar na colheita
porque muito tinha colhido
do que outros semearam.
Jovem, seja você esse semeador
Semeia com otimismo
Semeia com idealismo
as sementes vivas
da Paz e da Justiça.

Humildade

Senhor, fazei com que eu aceite
minha pobreza tal como sempre foi.

Que não sinta o que não tenho.
Não lamente o que podia ter
e se perdeu por caminhos errados
e nunca mais voltou.

Dai, Senhor, que minha humildade
seja como a chuva desejada
caindo mansa,
longa noite escura
numa terra sedenta
e num telhado velho.

Que eu possa agradecer a Vós,
minha cama estreita,
minhas coisinhas pobres,
minha casa de chão,
pedras e tábuas remontadas.
E ter sempre um feixe de lenha
debaixo do meu fogão de taipa,
e acender, eu mesma,
o fogo alegre da minha casa
na manhã de um novo dia que começa.”

Meu Destino

Nas palmas de tuas mãos
leio as linhas da minha vida.

Linhas cruzadas, sinuosas,
interferindo no teu destino.

Não te procurei, não me procurastes –
íamos sozinhos por estradas diferentes.

Indiferentes, cruzamos
Passavas com o fardo da vida…

Corri ao teu encontro.
Sorri. Falamos.

Esse dia foi marcado
com a pedra branca da cabeça de um peixe.

E, desde então, caminhamos
juntos pela vida…

Poema de amor

Este é um poema de amor
tão meigo, tão terno, tão teu…
É uma oferenda aos teus momentos
de luta e de brisa e de céu…
E eu,
quero te servir a poesia
numa concha azul do mar
ou numa cesta de flores do campo.
Talvez tu possas entender o meu amor.
Mas se isso não acontecer,
não importa.
Já está declarado e estampado
nas linhas e entrelinhas
deste pequeno poema,
o verso;
o tão famoso e inesperado verso que
te deixará pasmo, surpreso, perplexo…
eu te amo, perdoa-me, eu te amo…

¹Ana Lins do Guimarães Peixoto Brêtas
* Cidade de Goiás, GO – 20 de Agosto de 1889 d.C
+ Goiânia, GO. – 10 de Abril de 1985 d.C

Frases de Cora Coralina

“Se temos de esperar,
que seja para colher a semente boa
que lançamos hoje no solo da vida.
Se for para semear,
então que seja para produzir
milhões de sorrisos,
de solidariedade e amizade.”

Diga o que você pensa com esperança.
Pense no que você faz com fé.
Faça o que você deve fazer com amor!

“O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher.”

“Não podemos acrescentar dias à nossa vida, mas podemos acrescentar vida aos nossos dias ”

“Estamos todos matriculados na escola da vida, onde o mestre é o tempo “

“Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.”

“O saber a gente aprende com os mestres e com os livros. A sabedoria, se aprende é com a vida e com os humildes.”

“Lindo demais! Coração é terra que ninguém vê.”

“Acredito nos jovens à procura de caminhos novos abrindo espaços largos na vida. Creio na superação das incertezas deste fim de século.”

“Não morre aquele que deixou na terra a melodia de seu cântico na música de seus versos.”

Album anzeigen

Leia também:

 

Os segredos do „Pequi“: Cerrado do Brasil (Die Geheimnisse der Pequi-Frucht: Brasilianische Savanne)

Descubra um Brasil desconhecido: (o Cerrado brasileiro), Projetos fantáticos, pessoas incríveis, os frutos do cerrado (especialmente o PEQUI), além de receitas delicioas.

Desvende a terra de Cora Coralina!

 

Fontes, Dicas de Leitura & Pesquisa

Coralina, Cora (2001): “Vintém de cobre – Meias confissões de Aninha”, São Paulo: Global Editora, pág. 174.

www.casadecoracoralina.com.br/

http://www.vilaboadegoias.com.br/cora_coralina/

http://www.paralerepensar.com.br/coracoralina.htm

http://www.releituras.com/coracoralina_menu.asp

http://www.revista.agulha.nom.br/cora.html

http://www.cmb-bwc.com.br/biografias/CoraCarolina.htm

http://bibliotecaets.blogspot.de/2009_04_01_archive.html

www.google.com.br (Imagens)

www.youtube.com.br (Vídeos)